sábado, 7 de maio de 2016

Enlouquecendo Denny - Capitulo 26



CAPITULO 26

Letty

Denny não falava uma única palavra desde que o piloto deu o aviso para apertar os cintos, porque iríamos pousar. A janela ao meu lado teve sua cortina abaixada, eu não poderia ver a cidade por ela ou teria pistas. Também foi avisada que meus olhos seriam vendados quando descêssemos. Ele estava tendo um trabalho e tanto para manter nosso destino em segredo e estava tão fofo empenhado nisso que eu não tinha coragem de trapacear, mesmo sabendo que com um pouquinho de persuasão eu teria todas as respostas que desejo.
Vou te vendar agora. – Denny alcançou um daqueles tapa olhos que usamos para dormir e colocou no meu rosto – Relaxa que estou te levando para um lugar seguro.
Eu confio em você. – falei o ouvindo respirar fundo depois de uma pausa.
Obrigado, baby, você não sabe o quanto isso é importante para mim. – eu senti um selinho sobre meus lábios – Pronta?
Mais que pronta. – sorri e fui para fora seguindo as instruções de Denny.
Ele me levantou no colo quando chegamos na escada do avião, e me colocou de volta no chão quando ela passou.
Na imigração, Denny teve que tirar a venda de mim, eles tinham que conferir meus documentos, mantive meus olhos fechados depois de Denny praticamente implorar para que eu não olhasse e sob risos de alguns passageiros atrás de nós e reclamações de outros, passamos por essa e seguimos para o que eu achava ser o lado de fora do aeroporto.
Ele me colocou dentro de um carro, que eu supus ser um táxi, e falou algo baixo com o motorista. Alguns minutos depois estávamos em movimento.
Vou ter que te revelar um pouco da surpresa. – ele falou no meu ouvido – Teremos que fazer uma breve viagem pelo mar, você tem algum problema com isso? Enjôo, qualquer coisa assim? Eu consigo… outra forma de chegarmos no nosso destino.
Não precisa, eu gosto do mar.
Ótimo.
Então estamos em algum lugar litorâneo. – falei – Pelo tempo de viagem, não estamos nos Estados Unidos… Brasil talvez?
Você gostaria de visitar o Brasil?
Nunca vi mais que fotos e algumas reportagens na TV. O Rio de Janeiro parece ser lindo.
Denny ficou em silêncio e eu aproveitei para tentar ouvir algo através das janelas do carro. Tudo que consegui foram algumas buzinas, outros carros em movimento eu não conseguia ouvir muito.
Nosso carro fez uma curva e parou alguns metros depois, o que ouvi assim que Denny abriu a porta do carro era maravilhoso. Tinha muitas pessoas conversando em um idioma estranho, mas o que tomava toda a minha atenção era o som do mar.
Tem muita gente conversando aqui, você vai acabar descobrindo onde estamos. – Denny resmungou no meu ouvido.
Eu só sei que não estamos no Brasil. – eu ri – Esse idioma não se parece com o espanhol e eu sei que o português parece.
Vamos. – ele me levou pela mão, guiando meu caminho – Vou te levantar e te colocar na lancha, okay?
Quando estivermos em alto mar eu vou poder tirar a venda?
Não. – ele riu – Aguente mais um pouco mulher.
Estou ansiosa Denny. – reclamei.
Vou te recompensar. – ele beijou a região abaixo da minha orelha, me fazendo arrepiar – Segure firme.
Eu me pressionei mais contra o corpo dele, sentindo um de seus braços em volta de mim. Me permiti ficar ali, fazendo a única coisa que podia fazer no momento, ouvir o ronco do motor da lancha, sentir o corpo de Denny colado nas minhas costas, sentir o cheiro do mar e os respingos da água no meu rosto.
Eu perdi um pouco a noção do tempo, mas não parecia ter passado nem mesmo uma hora depois que a lancha parou e Denny se moveu atrás de mim.
Mais um pouco e essa venda estará fora. – ele murmurou me ajudando a levantar – Eu já volto – ele falou com quem estava, acredito eu, pilotando a lancha.
Denny me levou no colo por um caminho extenso e depois me colocou no chão.
Me espere aqui e não tire a venda ainda. E não trapaceie, promete?
Prometo, mas não demore.
Só vou buscar nossas malas. – ele beijou meu ombro e se afastou.
Fiquei ali parada tentando desvendar pelos sons onde estávamos, mas tudo o que eu ouvia era o mar, o vento em árvores, vozes murmuradas – Denny e o pilota da lancha, provavelmente – e um rangido que era o som mais próximo de mim, algo como o som das dobradiças de uma porta, ou uma cadeira de balanço.
Pronta? – Denny perguntou parando atrás de mim.
Sim. – ele puxou a venda por cima da minha cabeça e eu pisquei algumas vezes, acostumando minha visão.
Estávamos de pé numa varanda de uma casa estilo colonial com paredes brancas e piso cinza escuro. Tinha um balanço de dois lugares na extremidade direita da varanda e era de onde vinha o rangido. A frente da casa era uma grande porta de vidro e quatro janelas estreitas, porém altas.
Denny me abraçou pela cintura e me virou de costas para a casa. A vista era de tirar o fôlego.
Além da areia muito branca ganhava quase um tom prateado por conta da luz da lua, o que deixava o mar escuro, quase num preto infinito.
Isso é lindo!
E completamente nosso pelas próximas duas semanas.
Como assim completamente nosso? – virei nos braços dele, ficando de frente para ele.
Estamos numa praia particular, não tem ninguém aqui além de você e eu.
Mas podem chegar pessoas… alguém que não saiba que aqui é particular?
Não. A única forma de acesso a essa praia é de lancha, como viemos, ou de helicóptero, e ambas estão proibidas a menos que eu autorize. Em duas semanas vou ligar para o piloto da lancha e pedir que ele venha nos buscar. – ele tirou um aparelho de celular via satélite do bolso e balançou na minha frente – Você não gostou da surpresa?
Está brincando comigo? – eu o encarei – Eu vou ter duas semanas sozinha com você, sem a banda, sem a bagunça com meus pais, sem Holly, sem qualquer outro problema e você me pergunta se eu gostei? A única coisa que não gostei, Sr. Hudson é que você ainda não me colocou contra aquela parede.
Ele abriu um sorriso e nos virou, me empurrando para trás até eu estar com as costas contra a parede e me beijou.
Levantei uma perna até tê-la entrelaçado à perna de Denny, ele usou uma das mãos para segurar minha coxa, enquanto a outra se afundou no meu cabelo me levando para – se era possível – mais perto dele.
De repente eu fui afastada da parede e estava no colo de Denny que tinha se sentado no balanço.
Meu vestido encontrou caminho para fora do meu corpo e a camisa dele o acompanhou. Roupas íntimas fora e em questão de minutos eu o montava e fazíamos amor como se o fim do mundo fosse amanhã.

oOo

Quer conhecer o lado de dentro? – Denny perguntou me fazendo rir.
Eu estava ainda sentada em seu colo, com ele firmemente encaixado em mim. Estávamos ambos ofegantes e suados, mas completamente satisfeitos.
Não tínhamos que ter feito isso antes do sexo? – eu ri mais.
Vamos ter tempo para fazer amor em cada canto dessa praia, mas em algum ponto dessas nossas duas semanas, eu quero tomar você sob as estrelas bem ali. – ele apontou para a areia.
Isso soa ótimo para mim. – me estiquei o suficiente para beijá-lo – Nunca vai acabar, não é?
O que, nós dois?
O desejo. Essa vontade que temos um pelo outro, a necessidades de estarmos unidos assim. – eu me empurrei para frente para reforçar o que dizia.
Nunca. – ele segurou meu rosto entre as mãos e me beijou – Eu nunca vou parar de te desejar, de querer você.
Mesmo que, sei lá, o seu melhor sexo do passado apareça querendo um revival?
O meu melhor sexo do passado é o melhor sexo do presente e será com toda certeza o melhor sexo do futuro. – ele beijou a ponta do meu nariz – Eu sei que tive um monte de mulher, Scar, mas esse Denny ficou perdido em algum lugar lá atrás. Eu só quero você, só preciso de você. O meu passado só importa a partir do momento que você entrou na minha vida, o que vem antes disso eu já deletei.
Me desculpa – escondi meu rosto no pescoço dele – é que eu me sinto insegura às vezes, é tudo tão perfeito que eu tenho medo de algo acontecer e tirar essa realidade perfeita de mim.
Nada vai me tirar de você ou tirar você de mim. Nós somos para sempre, baby.
Eu sei que vou ter que lidar com as fãs, e que não vai ser fácil…
Não é só você. – ele riu – Eu estou me preparando para ver o número de fãs do sexo masculino aumentar e eu ter que lidar com outros caras de chamando de gostosa, te desejando descaradamente e tentando tirar um pedacinho seu em qualquer oportunidade que tiverem.
Tenho certeza que você vai se ocupar em estar o tempo todo ao meu lado impedindo qualquer um de se aproximar.
Pode apostar seu traseiro lindo nisso. – ele riu e me beijou novamente.
Tenho que ligar para a minha mãe. – falei – Eu prometi a ela que daria noticias assim que chegássemos ao nosso destino.
Denny se inclinou para alcançar a calça no chão, me levando junto e me fazendo dar um gritinho quando eu acabei curvada para trás. Ele alcançou o celular via satélite no bolso da calça e me entregou.
Ligue para ela e depois vamos tomar banho juntos.
Disquei o número e esperei até a ligação completar. Chamou quatro vezes.
Ela deve estar ocupada – falei com Denny, ainda aguardando minha mãe atender. Quando eu pensei em desistir, depois da sexta chamada, fui atendida.
Alô. – a voz do outro lado fez todo o sangue fugir do meu rosto e eu senti meu coração pular em disparada – Alô!
Me apressei em desligar e soltei o telefone como se ele fosse uma cobra pronta a me dar o bote.
O que foi? – Denny colocou o aparelho no banco ao nosso lado e me abraçou.
Meu pai que atendeu. – sussurrei sentindo uma lágrima descer pelo meu rosto.
Hey… nada disso, seu pai ficou do outro lado do oceano. Eu vou ligar para Ethan e pedir que ele avise Jessie, assim ela pode falar com sua mãe, okay? Nada de pensar em problemas, eles estão probidos aqui.
Okay. – respirei fundo e limpei o rosto – Nada de problemas, vamos para o nosso banho.
É assim que se fala. – ele ficou de pé comigo ainda no seu colo e entrou na casa.

Por dentro ela era ainda mais linda, os tons de cinza e branco predominavam, exceto na cozinha que era dominada por madeira escura e inox.
Nosso quarto. – Denny falou no meu ouvido antes de abrir a porta.
O quarto principal quebrava um pouco a decoração cinza da casa, aqui o tom marrom e creme prevaleciam e da forma como foram usados deixava o quarto meio rústico. Mas não foi isso que chamou minha atenção, e nem a enorme cama queen size no centro do quarto, foi a porta de vidro que dava uma incrível vista para a praia.
Acho que acabei de mudar o local onde vou te amar sob as estrelas. – Denny murmurou também olhando a vista.
Banho? – sugeri – Estou começando a ficar faminta.
Banho. – ele me levou até o banheiro que tinha no quarto e me colocou de pé ao lado de uma jacuzzi.
Banheira ou ducha? – Denny parou esperando a minha resposta.
Ducha agora, banheira mais tarde. Eu realmente estou ficando faminta.
Seu desejo é uma ordem. – ele foi na direção da ducha e a ligou, testando a água.
O banheiro, como a cozinha, trazia madeira escura e inox, a jacuzzi era preta e muito convidativa.
Baby? – Denny me chamou. Ele já estava debaixo da ducha, uma visão com a qual eu nunca me acostumaria.
Me juntei a ele, colando meu corpo contra a parede de músculos que ele era, desenhando a tatuagem do peito com a ponta dos meus dedos.
Ainda quero fazer uma tatuagem. – falei.
O que você quer tatuar? – ele manteve as mãos nas minhas costas, deslizando os dedos de um lado a outro no meu quadril, acima da minha bunda.
A rosa do Fifty.
Sério? – ele sorriu.
Sim, eu sou parte da banda agora, tenho que ter a marca da FNBR.
Onde você quer a rosa?
No ombro, como a de vocês.
Vamos cuidar disso assim que voltarmos para casa, agora vire-se, vou lavar seu cabelo.
Eu me virei de costas para ele e o deixei esfregar o shampoo na minha cabeça. As mãos grandes dele massageavam meu couro cabeludo e era reconfortante.
Quando ele acabou de lavar meu cabelo eu quis retribuir, acabou que Denny teve que pegar um banquinho de debaixo da pia para se sentar, no meu pouco tamanho eu não conseguia alcançar a cabeça dele nem que me colocasse na ponta dos pés.
Meu cabelo grande te incomoda? – Denny perguntou um tempo depois.
Incomodar?
É, tem mulher que não gosta de homem com cabelo comprido. Se o meu te incomodar eu corto.
Eu deixei de lado o que estava fazendo e dei a volta, me sentando escarranchada no colo dele.
Me toca profundamente saber que você abriria mão de algo tão importante para você, por mim. Eu nunca olhei duas vezes na direção de um cara de cabelo comprido, mas quando vi você, principalmente, quando vi você amarrando o cabelo no alto da cabeça… – suspirei – Meu Deus aquilo foi tão sexy. Eu não curto homens de cabelo comprido, mas eu amo você com cabelo comprido. Então minha resposta para você é não. Não me incomoda nem um pouco que você tenha cabelo comprido.
Você sabe o que fez, não sabe? – ele semicerrou os olhos.
Eu meio que estou sentindo o que fiz. – sorri e me remexi no colo dele sentindo a dureza dele, mas meu estômago decidiu que era a melhor hora para estragar a brincadeira.
Mais tarde. – Denny me colocou de pé – Vamos encontrar o que comer agora.
Eu até poderia discordar, mas estou realmente muito faminta.
Vamos. – ele desligou o chuveiro e foi até o armário embaixo da pia onde pegou duas toalhas, jogou uma para mim e envolveu a outra ao redor da cintura.

Você não sabe cozinhar. – ri de Denny na frente do fogão, de onde não vinha um cheiro legal.
Claro que eu sei. Só quero inventar algo especial.
Okay, Master Chef, deixa para você inventar algo quando meu estômago não estiver me devorando de dentro para fora. – empurrei ele de lado e abri a geladeira em busca de algo de rápido preparo.
Acabamos com dois sanduíches e suco cada um e fomos comer na sala, vendo um filme na TV. E foi deitados no tapete que nós dois acabamos dormindo.


Denny

Eu devia ter planejado melhor esse meu tempo a sós com Scar. Já estávamos a cinco dias aqui e tínhamos esgotado tudo o que dava para fazer, exceto o sexo, porque esse nunca se esgotaria, chame sorte ou benção, mas Scalett tinha um apetite voraz o que fazia aquela minha vontade de ter uma mulher diferente cada dia, às vezes duas mulheres por vez, acabar completamente.
Eu estava deitado no tapete na sala assistindo minha garota atravessar o cômodo usando somente calcinha e sutiã – o que para mim era muito pano a cobrindo – e se sentar ao piano. Ela alongou o pescoço, os ombros e os dedos e então começou a tocar.
Eu sabia que ela tocava vários instrumentos, mas nunca a tinha visto tocar piano, na verdade eu ainda não a tinha visto tocar nada além do violino e da guitarra.
A melodia de Thank you for loving me, de Bon Jovi começou a soar e logo em seguida a voz melodiosa de Scar acompanhou as notas.
Eu sorri, era eu quem tinha que agradecê-la. Ela me tirou da porra de uma vida bagunçada, trouxe sentido e razão para eu acordar todos os dias.
Me levantei e sentei junto com ela, o banco do piano era grande e me permitia sentar deixando Scar entre minhas pernas. Enquanto ela tocava e cantava eu a venerava, porque era isso que ela merecia, eu queria mostrar a ela que eu era o agradecido ali e ela era o presente. Ela é o presente. O meu presente. Aproveitei uma deixa na música e cantei um trecho para ela.
Tranque a porta, deixe o mundo lá fora. Tudo o que eu tenho para de dar, são essas cinco palavras. – ela se juntou a mim e cantamos o restante do verso – Obrigado por me amar.¹
Scar não terminou a música, ela parou de tocar e, como dava, se virou de frente para mim.
Te amar é tão fácil. – ela sorriu – Não tem como não te amar.
Não é assim tão fácil quando colocamos Holly na equação.
Eu achei que Holly tinha ficado do outro lado do oceano.
Ela ficou. – sorri – Você fala que é fácil me amar, mas e você? Te amar é como respirar. É como beber água quando estamos sedentos… é natural, doce, revigorante.
Sabia que eu amo quando você fica no modo romântico?
Isso só acontece com você. – ri sem jeito – Eu nunca consegui dizer coisas bonitas para uma garota.
E como você conseguia tantas?
Eu as seduzia. Era sexy não romântico, mesmo porque eu não queria as românticas, não queria aquelas que buscavam ligações no dia seguinte, flores e encontros à luz de velas. Eu almejava sexo puro e cru. Você foi a única de quem eu quis algo mais. Como você só sexo não é suficiente, tem aquele pedaço que fica faltando sempre e a necessidade de te abraçar depois, de acordar sentindo sua respiração no meu pescoço ou seu cabelo no meu rosto.
Nós nos completamos. – ela rodeou os braços no meu pescoço – Formamos uma dupla perfeita.
Nossos filhos, quando decidirmos tê-los, vão ser de arrasar.
Meu Deus, como é modesto esse meu namorado! – ela jogou a cabeça para trás e riu, eu aproveitei para beijar o pescoço dela.
Provei com a língua toda a extensão até a clavícula. Scar gemeu se rendendo e eu abaixei a tampa das teclas do piano e a coloquei sentada ali.
Procurei às cegas o fecho do sutiã e o abri com facilidade antes de descartar a peça no chão. Ela arqueou as costas quando chupei um mamilo e quando repeti no outro ela enfiou os dedos no meu cabelo e apertou e porra… eu amava essa reação dela, essa sede de mim a necessidade em me manter perto.
Faz amor comigo Denny. – ela pediu baixo, escorregando de volta para o meu colo – Faz amor comigo bem aqui.
Pode ter toda certeza do mundo que eu farei.

oOo

Eu observava Scar dormindo na cama, fizemos amor por toda tarde e ela acabou dormindo esgotada. Eu estava a horas sentado numa poltrona de frente para a criatura mais linda criada por Deus e pensando onde é que eu acertei para ser merecedor de algo tão único como Scarlett Myfair.
Ela bem que podia se tornar logo Scarlett Hudson. Minha em todos os sentidos da palavra.
Olhei de novo para o bloco de papel no meu colo. Eu estava compondo. Nunca fiz isso, no máximo ajudava em um arranjo ou outro nas composições de Nick e Ethan, mas nunca tive uma composição minha, só que desde que acordei na primeira manhã aqui com Scar, depois que olhei ela dormindo tão linda e perfeita, a música simplesmente surgiu na minha cabeça.
O que você está fazendo ai? – a voz de Scar chamou minha atenção – Bom dia… ou melhor – ela olhou pela porta que dava para a praia – boa noite.
Boa noite. – eu deixei o bloco de lado e subi na cama, me deitando por cima dela.
O que era aquilo?
Só uma coisa em que estou trabalhando.
Cheio de segredos. – ela riu.
Nunca, sem segredos com você. Eu estou compondo.
Mesmo? – os olhos dela arregalaram – Eu posso ver?
Me deixe acabar a letra primeiro.
Não posso saber nem um pouquinho? – ela bateu os cílios dramaticamente.
Você é boa nisso? Em fazer essa carinha do gato de botas com esses enormes olhos brilhantes. – ela abriu um sorriso enorme e eu me ajeitei ao lado dela, sua cabeça repousada no meu peito – Não tenho muita coisa – suspirei – é difícil escrever sobre algo quando esse algo é o que você me faz sentir…
Espera, a música é sobre nós? – ela se levantou, apoiando o corpo no cotovelo.
Sobre você.
Sobre mim? – os olhos dela arregalaram de novo.
Sobre o que mais eu falaria se não você? Você é minha musa, meus pensamentos, meus sonhos se tornando realidade, você é o meu ar. Eu tentei pensar em algo com impacto tipo Se pudéssemos ganhar o tempo para deixar tudo na linha, eu poderia descansar minha cabeça apenas sabendo que você é minha toda minha”² ou que “eu poderia ficar acordado, só para te ouvir respirar, te assistir sorrir enquanto você dorme, quando você está muito longe, sonhando”³ ou ainda “você é tudo que eu quero e quando você está deitada em meus braços quase não consigo acreditar que estamos no paraíso”4eu acariciei o rosto dela com as pontas dos meus dedos – Mas tudo o que eu tenho, por enquanto, é que “eu te amo. Sem você meu oceano é só uma pequena porção de água e minha vida não é nada. Sem luz, sem sentido, sem ar. Eu vivo você, eu sinto você, eu respiro você.”
É lindo – ela rapidamente secou uma lágrima – é muito lindo. E eu amo você.
Eu também te amo.
Ela voltou a se deitar no meu peito e nós ficamos ali quietos apenas sentindo a presença um do outro.
Eu vou procurar um lugar pra nós quando voltarmos. – falei depois de um tempo de silêncio – Você, Mara, meu pai, meus irmãos, todos tinham razão, eu já fiz o que podia por Holly é hora de começar a viver minha vida, nossa vida.
Tem certeza? Eu não quero que você mude suas decisões por minha causa, quero que faça o que quer fazer por você.
Eu sei. – sorri – Agora eu quero beijar você. – eu a deitei de costas e a beijei sem pressa e sem sentido.
O telefone via satélite tocou me obrigando a me afastar de Scar.
Me espere na cozinha, vou fazer nosso jantar. – falei pegando o aparelho em cima da cômoda.
Oh Deus, vamos jantar lasanha congelada novamente. – ela falou e saiu correndo antes que eu a alcançasse. Atendi o telefone.
Espero que seja muito, muito, muito urgente. – falei.
Oi para você também. – era Nick.
O que você quer?
Saber como vocês estão.
Estamos bem, e estávamos prestes a fazer amor antes da sua ligação nos interromper.
Fazer amor? – ele riu – Quando foi a última vez que te ouvi falar isso? Não, espera, eu nunca ouvi!
Você está parecendo uma hiena. Vou desligar.
Não! – ele parou de rir – Não desligue, mamãe vai me matar se eu não der a ela um relatório detalhado sobre como vocês dois estão, ela está pirando aqui imaginando se vocês estão se alimentando bem, se estão usando protetor solar, colete salva vidas…
Tipico de Mara. – eu ri – Diga a ela que estamos bem, comendo, protetor solar sempre presente e que ainda não fomos em alto-mar, mas vamos nos lembrar do salva vidas quando formos.
Letty recebeu um convite.
Convite? De quem? Pra quê?
Calma Zorro, guarde sua espada. – ele riu – Ela recebeu um convite da Rock Star, eles querem fazer uma matéria com ela, como a nova Fifty.
Sério? Isso é incrível!
Eu também achei. Achamos na verdade… Scott está agindo como se fosse Sandy a convidada para essa matéria.
Ele nunca vai deixar de agir como pai de Scar.
Não se irrite com isso, Denny. Eu de certa forma entendo Scott.
Scar não vai ser substituta para a filha que ele perdeu.
E eu não acho que é o que ele quer, Denny. Deixe Scott em paz, se ele abusar eu te ajudo a chutar ele pra longe, por enquanto ele não está prejudicado Letty em nada, pelo contrário ele está cuidando bem da carreira dela.
Okay. Você soube de Holly?
Está na mesma. Christian está de olho nela e eu também.
Certo, nós nos vemos em alguns dias.
Okay. Sobre a matéria, ficamos de entrar em contato com a Rock Star quando vocês voltarem. Conte para Letty.
Eu contarei. Até breve.
Divirta-se irmãozinho.
Pode deixar isso comigo. – ri e desliguei o telefone. Fui para a cozinha e encontrei Scar cortando tomates – Hey, era eu que ia cozinhar para você.
É mais divertido quando fazemos isso juntos.
Você acha? – eu a abracei por trás.
Eu amo cozinhar com você. – ela virou o rosto o suficiente para me dar um selinho.
Okay, o que vamos fazer?
Eu pensei em uma massa. – ela voltou a cortar os tomates.
Cuidado, não vá cortar os dedos. – falei e ela pôs língua para mim – Eu estou falando sério.
Eu sei usar uma faca Denny. – ela revirou os olhos – Posso parecer uma dondoca, mas eu não sou.
Não está mais aqui quem falou.
Coloque o macarrão no fogo homem. – ela me empurrou um pacote de macarrão – A água já está fervendo.
Sim senhora.
Quem era no telefone?
Nick, queria saber como estamos. Segundo ele Mara está prestes a pegar um avião e vir para cá conferir se estamos nos alimentando bem e usando protetor solar.
Mara é uma peça – ela riu.
Ele disse que a Rock Star entrou em contato com Scott…
Rock Star a revista? – ela deixou a faca de lado e me encarou.
Sim. Eles querem fazer uma matéria com um dos integrantes da banda.
Por que um dos integrantes e não a banda inteira?
Porque todo mundo quer saber mais sobre esse integrante… essa integrante na verdade. Eles querem uma matéria com você, baby.
Scar me encarou com uma expressão de incredulidade no rosto.
A Rock Star… “A” revista do rock quer fazer uma entrevista comigo?
Vamos entrar em contato com eles e marcar uma data assim que voltarmos para casa.
Acho que eu vou desmaiar. – ela largou tudo e se sentou numa cadeira eu fui junto e me ajoelhei na frente dela.
Hey, você está bem?
Não. – ela respirou fundo – Deixa a minha ficha cair.
Relaxa minha menina… essa é só a primeira entrevista, logo você estará de saco cheio das revistas, sites, programas de TV… acostume-se você é uma estrela agora.
Você vai comigo, certo?
Eles querem só você.
Sim, mas você pode ir comigo, ficar nos bastidores… não pode?
Claro que eu posso. – eu puxei seu rosto e a beijei. – Agora vem, vamos terminar o nosso jantar.
Terminamos o jantar e comemos entre risadas e planos para nossos próximos dez dias aqui.
Nós podemos deixar a praia dois dias antes e nos hospedar em um hotel em Iráclio e fazer nossas compras de Natal e conhecer um pouco a cidade. – sugeri.
É uma boa ideia, vamos chegar em casa a duas semanas do Natal e já estaremos preparados.
Eu vou ligar para o piloto da lancha amanhã e avisá-lo da mudança de planos. – ajudei Scar a limpar a bagunça que fizemos na cozinha e fomos para a cama. Ela tinha pedido para vermos um filme juntos e eu nunca negaria nada a ela.



1. “Lock the door, leave the world outside. All I've got, to give to you, are these five words tonight. Thank you for loving me”. (trecho da canção Thank you for loving me de Bon Jovi – tema do capitulo de hoje)

2. If we could take the time to lay it on the line I could rest my head just knowin' that you were mine. All mine. (trecho da canção November Rain – Guns'n Roses)

3. I could stay awake just to hear you breathing. Watch you smile while you are sleeping, while you're far away and dreaming. (trecho da canção I don't want to miss a thing – Aerosmith)


4. “you're all that I want, when you're lying here in my arms, I'm finding it hard to believe, we're in heaven.” (trecho da canção Heaven de Bryam Adams).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

LinkWithin