quinta-feira, 5 de maio de 2016

Enlouquecendo Denny - Capitulo 27






CAPITULO 27

Denny

Desembarcamos no hangar em Los Angeles logo pela manhã, apesar de termos dormido durante quase todo o vôo, Scar vez ou outra resmungava que estava com sono.
– Não é sono é ressaca pela mudança de fuso horário. – expliquei.
– Que seja, tudo o que quero agora é um banho e ficar na cama pelo resto do dia.
– Temos que nos encontrar com a banda.
– Mesmo? – ela me olhou desanimada.
– Vamos para casa e então banho, eu coloco você na cama e vou encontrar com meus irmãos, você não precisa ir.
– Eu sou da banda agora, tenho que assumir as responsabilidades.
– Provavelmente não vamos falar nada de muito importante, você pode ficar em casa dessa vez. – eu passei o braço pela cintura dela e a levei para o Maverick que estava estacionado dentro do hangar.
Coloquei nossas malas no porta-malas do carro e entrei, pronto para levar Scar para casa.
– Vou pedir ajuda a Miles para encontrar um lugar para nós dois. Ele ajudou Scott a encontrar uma casa para Ryan ano passado.
– Eu acho que tenho que me encontrar com Ryan qualquer dia… tenho que conversar e pedir desculpas a ele.
– Essa oportunidade vai chegar, relaxa.

Holly estava largada no sofá da sala quando chegamos, provavelmente bêbada demais para ir para o quarto.
– Parece que ela deu uma festa e tanto aqui. – Scar chutou uma garrafa de whisky vazia. Tinha muito mais lixo e bagunça espalhados pela casa – Ainda bem que nosso quarto fica trancado, eu não quero imaginar o que podia acontecer na nossa cama enquanto estávamos fora.
– Isso vai acabar em breve. – eu beijei a testa dela e a levei para o quarto – Não se preocupe em arrumar nada hoje. – falei sabendo que ela estava pensando em organizar a casa – Fique no quarto, descanse, depois eu mando uma faxineira vir aqui dar um jeito em tudo.
– Okay. – ela largou a bolsa na cama e começou a tirar a roupa – Tudo o que eu consigo pensar agora é em um banho.
– Era o que eu pensava até vinte segundos atrás. – ela se virou para mim e sorriu.
– O que tem na sua mente agora, grandão?
– Que eu tenho uma fodida sorte nessa vida. – murmurei – Você está gostosa com essa marquinha de biquíni baby. E me faz lembra de você com essa bunda para cima enquanto tomava sol.
– Preciso de ajuda para esfregar as minhas costas. – ela piscou sugestiva e foi na direção do banheiro e eu a segui.

oOo

Quando eu terminei de me vestir para sair, Scar já estava dormindo, enrolada num lençol. Deixei um beijo em sua testa e saí do quarto, trancando a porta atrás de mim. Eu não gostava de deixá-la vulnerável enquanto dormia, era essa a razão de nós dois termos uma chave do quarto em nossos chaveiros.
– Os pombinhos voltaram. – A voz de Holly chamou minha atenção. Ela estava sentada no sofá com uma xícara de café nas mãos.
– Você não consegue deixar essa casa menos parecida com a porra de uma zona, Holly? – reclamei. – A casa ainda é minha, faço o que quiser com ela.
– Tem razão, a casa é sua – falei – tanto que hoje eu começo a procurar um lugar para Scar e eu.
– Como é? – ela ficou de pé num pulo.
– Eu cansei Holly, cansei de fazer tudo por você e te ver se fodendo para o mundo, eu não vou gastar minhas energias, ou meu dinheiro a toa mais. Tenho alguém que merece isso muito mais que você. Eu não vou te deixar na rua da amargura, eu vou pagar as contas da casa e vou te dar uma mesada para você comprar o que precisa, e eu estou falando de alimentos, Holly. Se você decidir gastar tudo em bebida, não me ligue reclamando que não tem comida em casa.
– Aquela putinha está virando a sua cabeça! Eu sou sua mãe, Daniel, sua.mãe!
– Quando é que você fez algo para merecer esse título? Você me pariu Holly, apenas isso. Eu vou sair agora, porque tenho mais o que fazer da minha vida. – deixei-a sozinha ali e saí.

– Sua cara não é boa. – foi Nick quem me recebeu no escritório de Scott.
– Tive uma discussão com Holly.
– Está tudo bem?
– Sim, eu decidi ouvir todos vocês e estou desistindo dela. Quero encontrar o mais rápido possível um lugar para Scar e eu.
– Cara isso é maravilhoso de se ouvir! – ele me puxou para um abraço – Estou orgulhoso de você irmãozinho. Finalmente você entendeu que Holly não é sua obrigação. Você fez tudo o que podia, chega de se martirizar e se privar de viver sossegado por causa dela.
– Scar merece mais que dividir a casa com minha mãe bêbada e problemática. Eu nunca a vi tão feliz como no tempo que passamos na Grécia, longe de todos os problemas, de toda a confusão… foi incrível.
– Já temos um pequeno Hudson encaminhado? – Ethan entrou na sala sendo seguido de Scott – ou uma mini Letty.
– Não. Filhos ainda não, nós deixamos o posto de procriador para você, Cupcake.
– Se você soubesse como é bom ter crianças correndo pela casa… ouvir um pequeno te chamar de papai, você não estaria dizendo isso.
– Concordo com Ethan, mas também concordo com você Denny, ainda não é hora de você e Scarlett terem filhos, são muito jovens.
– E o assunto aqui com certeza não é minha vida com Scar – falei – para que fui chamado?
– Temos que marcar uma data com a RockStar. Eles estão no nosso pé.
– Claro. – me sentei direito – Scar está animada, na verdade ela diz que ainda não acredita muito que isso está acontecendo.
– Ela vai demorar a se acostumar com a vida de estrela. – Nick riu – E onde ela está? É a mais interessada no assunto, tinha que estar aqui.
– Ela ainda está bagunçada pelo fuso horário, ela pediu para ficar dormindo.
– E você não conseguiu dizer não.
– Isso ai.
– Não tem problema – Scott interveio – Nós podemos marcar uma data e avisar ela, Denny conhece os compromissos que ela tem.
– Que no momento não são nenhum. – falei.
– Você acha que ela estaria disposta a fazer isso amanhã?
– Acho que sim. Se ela ficar em casa o dia todo, consegue estar descansada amanhã.
– Ótimo, vou marcar para o fim da tarde. – ele pegou o telefone e logo estava em uma conversa longa com o editor da RockStar.
– Eu ouvi bem? – Ethan parou ao meu lado, escorando-se na mesa – Você vai sair da casa de Holly?
– Sim. Scar merece um lugar melhor, quero realmente começar nossa vida juntos.
– Vai pedi-la em casamento?
– Por enquanto não, mas eu pretendo fazer isso em breve.
– Quem um diria hein? – Ethan riu – Denny Hudson, o terror das mulheres se amarrando.
– Culpe Scar. – eu ri.
– Culpar? Eu vou agradecê-la eternamente, ela te sossegou cara, não tem mais rodízio de garotas nos hotéis, no ônibus. Não estamos mais nos sites de fofocas, nossa mãe não dorme mais preocupada se ela tem netos espalhados pelo país. Letty é um anjo aos nossos olhos. – nós rimos, mas todos sabíamos que aquela era a mais pura de todas as verdades.
– Tudo resolvido com a RockStar. – Scott voltou sua atenção para nós – Agora temos uma outra questão a resolver. A turnê internacional. Ela já estava para acontecer a tempos e agora eu consegui muitos contatos, vamos começar pela América do Sul que é nossa vizinha.
– E quando começamos?
– Em janeiro, temos 4 cidades no México em janeiro, 4 no Brasil em fevereiro e 4 na Argentina em março.
– E eu vou poder levar Audrey e as crianças certo?
– Audrey e Ella, Enzon está na escola Ethan. – Nick lembrou – Nossa mãe fica com ele sem reclamar.
– Ou Ariela.
– Audrey não vai querer se afastar dele.
– São alguns dias em cada mês… não é o mês inteiro. – Scott explicou – Vamos voar para o México, voltar para casa depois de todos os shows, e retornar para o próximo país no mês seguinte. Sem sofrimento.
– Vamos? Você vai também? – perguntei.
– Sim. A última turnê eu não estava e virou uma bagunça. – ele olhou para mim.
– Okay, vou me comportar.
– Ah vai, com toda certeza da vida você vai se comportar. – ele revirou os olhos.
– Certo, e o tópico três da reunião. – Nick falou – Estamos sem assessora de imprensa, com a saída de Lori, o cargo ficou vazio.
– Eu ia entrevistar alguns candidatos, mas não encontrei ninguém a altura do cargo, a maioria só se interessou porque ia estar mais perto de vocês, ou seja, eram fãs, não profissionais. Miles vai ocupar o cargo até termos alguém, mais uma das razões para eu estar presente nas turnês.
– Certo.
– Mais alguma coisa?
– Sim. – Scott tirou um monte de papéis da gaveta – Temos burocracia pendente e precisamos saber se vocês vão usar alguma música de outro artista para resolvermos questões de direitos autorais.
– E lá vamos nós. – bufei sabendo que isso tudo aqui ia me tomar mais tempo que eu queria.

Letty

Acordei com os gritos de Holly, ela estava brigando com alguém. Me levantei e procurei algo para vestir, uma camisa de Denny e um short de malha foi o que encontrei primeiro.
Lavei o rosto, arrumei meu cabelo, escovei os dentes e fui para a cozinha comer algo, eu estava faminta e mal humorada por ter sido acordada com gritos.
– Ah a princesinha resolveu levantar. – Holly murmurou da sala onde ela estava largada com mais três pessoas, que eu não me dei ao trabalho de identificar.
– Quer alguma coisa de mim? – perguntei sem parar de andar na direção da cozinha.
– Que você tire da cabeça de Daniel a ideia de sair daqui.
– Faça-me rir, eu vou fazer questão de fortalecer essa decisão dele.
– Você não pode chegar assim e tirá-lo de mim! – ela gritou e eu senti meu braço ser puxado, estava de frente para uma Holly furiosa.
– Agora você o quer? E quando ele era uma criança pedindo amor e atenção? E quando ele era um garoto de quinze anos que apanhou de um vagabundo que você trouxe para dentro de casa? Querer Denny a essa altura do campeonato não é seu direito.
– Eu sou a mãe dele.
– Uma porra de uma mãe. Uma inútil que só sabe beber o dinheiro, o carinho e a compreensão dele. Você achou o que, que Denny não ia se cansar de dar murro em ponta de faca? Que ele ia passar toda a vida dele enfiado aqui sustentando seu vício e sendo pisoteado por você?
– Eu não devia tê-lo aconselhado a ir atrás de você, a insistir que você voltasse para ele, porque você não passa de um parasita que o suga.
– Eu? Eu o sugo Holly? Tem certeza? O que você dá em troca para Denny? Como você retribui o que ele faz por você, porque eu o amo. Eu o amo todos os dias e faço questão que ele saiba desse meu amor. Faço questão que ele sinta que é incondicional, que é maior que o tempo, que a vida. Eu digo a ele todos os dias que eu o amo. Eu demonstro, eu faço carinho nele, eu sorrio, eu seguro a mão dele, eu o abraço, eu fico ao lado dele, eu o deixo saber o quanto ele é importante na minha vida enquanto você… você só o humilha, o chuta, cospe que ele é menos que Nick e Ethan, você o diminui na frente de todos, você o despreza. Você não o merece e eu vou fazer o que eu puder para afastá-lo de você, porque você é um câncer Holly e enquanto não se curar eu não vou te deixar fazer mal para Denny.
Ela não disse nada, só se virou, expulsou as pessoas que estavam ainda na sala e foi para o seu quarto batendo a porta em seguida.
Eu não devia ter dito as coisas que disse, foi cruel, mas eu simplesmente não aguento mais ver como ela trata Denny, o quanto ela faz mal a ele. Se eu o amo, eu devo protegê-lo, sempre, não importa a que custo.
Tirei as coisas da geladeira para fazer o jantar. Eu ia preparar algo especial para Denny, agradá-lo era uma coisa que eu me sentia bem em fazer. Denny precisava ser sempre mimado por uma mulher, e para minha sorte, essa mulher sou eu.
Lavei alguns tomates e os coloquei na tábua para cortar, eu ia preparar tacos mexicanos, coisa que vi minha mãe fazer por várias vezes para o meu pai, ela dizia que era a forma de trazer um pouco da família dele para perto.
Meu pai era filho de mexicanos que migraram para os Estados Unidos, ele nunca nos falou sobre meu avô, eu sabia que minha avó tinha morrido quando meu pai ainda era pequeno e sabia também que havia algo na história do meu pai que o tinha afastado do meu avô.
Deixei a faca na pia e abri o armário em busca de um prato para colocar os tomates cortados. Estava equilibrada na ponta dos pés quando senti um par de mãos em volta da minha cintura. Sorri.
– Você voltou mais cedo. – me virei para abraçar Denny, mas gritei quando não foi os olhos dele que encontrei.
Pulei para longe das mãos do namorado de Holly colocando o máximo de distancia entre nós.
– Se afaste de mim. – gritei.
– Eu não resisti a vir aqui… você estava tão gostosa dando sermão em Holly. – ele lambeu os lábios olhando para as minhas pernas – Já faz um tempo que venho observando você, procurando uma oportunidade de ficar a sós, mas aquele seu cãozinho e guarda está sempre te rodeando, até tranca o quarto quando sai e te deixa aqui sozinha, mas foi delicioso te observar dormindo hoje.
– Como? A porta estava trancada. – perguntei assustada que ele tivesse conseguido uma cópia da chave.
– Foi um presente esquecer a cortina aberta, docinho.
A porta da varanda, eu tinha me esquecido de fechar.
– Não se culpe, docinho, você e seu cãozinho de guarda estavam… empolgados quando voltaram de viagem. – ele novamente lambeu os lábios.
A compreensão caiu como uma bomba em mim. Eu calculei minha fuga dali, mas ele estava exatamente na minha saída. Eu poderia usar a porta da garagem, mas não tinha o controle para abrir a porta externa e ia acabar presa com ele lá e com muito menos possibilidade de fuga.
– Sabe, eu nunca fui do tipo voyeur, mas assistir vocês dois foi melhor que ver qualquer filme pornô. – meu estômago embrulhou com a ideia – Você tem curvas deliciosas, por que não vamos até seu quarto brincar um pouco?
Eu ia vomitar, mais um único segundo ouvindo ele falar e eu vomitaria. Andei para trás até estar contra o balcão. Ele avançou também, mas eu consegui pegar um copo que estava no balcão e joguei na direção dele, o acertando no rosto. Ele se distraiu e eu corri, mas não cheguei à sala, ele me alcançou e puxou meu braço, me colando ao peito dele.
– Isso não foi legal, docinho. – o copo deixou um corte pequeno na maçã do rosto dele, os olhos não estava bravos, mas pareciam mais… desejosos, era como se ao lutar eu o deixasse mais interessado – Eu gosto de jogos, se você quer jogar comigo, eu topo. Podemos brincar de policia e ladrão… no momento eu acabei de prender você, mas vamos até o quarto para que eu possa te algemar.
Ele me pressionou contra a parede e eu pude sentir a ereção dele na minha barriga.
Um frio correu pela minha coluna, mas eu lutei para não ceder ao medo. Eu não ia deixar esse troglodita me estuprar, não mesmo. Eu tinha socado a cara de Dilan uma vez quando fui à casa dele me desculpar pelo casamento, então eu podia fazer isso de novo, não podia?
Até que sim, se minhas mãos não estivesse imobilizada entre nós dois, minhas pernas também não estava em um bom ângulo para eu chutar as bolas dele, a única alternativa que me sobrou foi esperar ele se mover e jogar, com toda a força que tinha, minha cabeça contra o nariz dele.
Eu ouvi o som do nariz dele se quebrando e a dor se espalhando na minha cabeça. A dor era grande, mas eu não podia perder a chance. Quando ele se afastou segurando o nariz quebrado eu me soltei e corri para fora da casa. Não sabia para onde ir, apenas corri para o mais longe daquele homem que eu poderia ficar.

Eu já tinha corrido um quarteirão inteiro quando ouvi o barulho do Maverick, eu sabia que era Denny, reconheceria o som do carro em qualquer lugar.
Corri na direção da rua e literalmente me joguei na frente do carro. Denny freou de uma vez e pulou para fora do carro.
– Scar? – eu corri e me joguei nos braços dele chorando muito – O que foi? O que aconteceu?
Eu não conseguia falar, meu choro não parava e eu só queria me esconder no abraço de Denny e nunca mais sair de lá.
– Scar, pelo amor de Deus, me fala o que está acontecendo!
– Ele… ele me agarrou…
– Ele? Ele quem? – Ethan estava parado ao nosso lado, eu nem mesmo tinha notado ele aqui.
– O namo...namorado de Ho-Holly.
– Como é? – Denny gritou e me segurou pelos ombros para me olhar melhor – Ele te machucou! Filho da puta, miserável, ele te machucou Scar!
Denny e Ethan olhavam algo na minha testa, Denny esticou a mão e tocou, doeu, eu gritei.
– O que ele fez com você? – Denny estava furioso.
– Isso fui eu. – falei ainda chorando um pouco – Eu joguei minha cabeça contra o nariz dele para conseguir fugir, ele estava… estava me segurando eu senti o… a… oh meu Deus, Denny, ele viu a gente… ele nos assistiu pela porta da varanda… e ele falou coisas tão nojentas… eu fiquei com tanto medo.
– Já passou, eu estou aqui agora. – ele me abraçou – E eu vou matar aquele desgraçado. Vamos para casa.
– Não! – eu me afastei – Eu não quero vê-lo, eu não quero… não quero.
– Hey, olha para mim. – Denny segurou meu rosto entre as mãos – Ele não vai olhar na sua direção, não vai tocar em você porque cadáveres não se movimentam. Eu vou encontrá-lo e vou matá-lo Scar. E nós vamos para casa buscar nossas coisas vamos embora de lá hoje. É por isso que Ethan está aqui, ele nos deu o apartamento que tinha antes de se casar com Audrey, eu ia em casa te buscar e então nós três nos encontraríamos com Audrey no apartamento, então se acalme, okay? Eu não vou sair de perto de você.
– Temos que dar queixa Denny, – Ethan falou – esse cara provavelmente já fugiu da sua casa e a polícia vai encontrá-lo e prendê-lo.
– Liga para Scott, pede ele para cuidar disso e mandar alguém colher depoimento de Scar no apartamento.
– Okay. – Denny joguo as chaves para Ethan e se sentou no banco de trás comigo.
– Você não deixa ninguém dirigir seu carro. – falei fungando.
– Você não está em condição de ficar sozinha e entre minha menina e meu carro, o Maverick sempre ficaria para trás. – ele beijou minha testa.

Denny entrou em casa pronto para matar quem estivesse na frente. A sala e a cozinha vazias, mas a bagunça na cozinha e o sangue pingado no chão deixava uma ideia do que tinha acontecido. Meu corpo estremeceu com a lembrança.
Fomos para o quarto com Ethan nos seguindo, olhando em todos os cantos, pronto para o caso do namorado de Holly estar escondido.
– Você consegue colocar nossas roupas numa mala? – Denny perguntou, eu assenti e fui na direção do closet – Eu vou procurar por Holly, você ajuda ela? – ele perguntou a Ethan que apenas veio me ajudar a tirar as malas de cima do armário.
Denny deixou a porta do quarto aberta e eu pude ouvi-lo bater na porta do quarto de Holly.
– O que é? – a voz dela estava arrastada.
– Onde ele está? – Denny soava muito irritado.
– Quem?
– O desgraçado do seu gigolô!
– Eu não sei, mandei ele embora depois do show da sua namoradinha.
– Você estava assistindo ele atacá-la?
– Ethan vá ficar com ele antes que ele faça algo com Holly, ela não estava na cozinha, não sei se sabia do que o namorado ia fazer…
– Você fica bem sozinha?
– Sim, vá! – eu o empurrei na direção da porta.
Denny e Holly continuaram discutindo, mas a voz de Denny ficava mais alta, prova de que ele estava se aproximando do quarto.
– Pois se você souber dele, mande-o ficar muito longe de mim Holly, porque se ele cruzar meu caminho eu vou me garantir que ele nunca mais respire novamente.
Ele entrou no quarto possesso e começou a tirar roupas do closet e jogar de qualquer jeito nas malas.
Eu me virei para pegar alguns objetos pessoais e dei de cara com a porta da varanda. Meu sangue ficou gelado, um suor pegajoso começou a brotar na minha testa com a lembrança de que aquele louco esteve parado ali assistindo algo tão íntimo.
– Scar? – Denny segurou meus ombros – Eu não vou deixá-lo te machucar baby, juro com minha vida.
Eu assenti e me permitir ser abraçada por Denny.
– Tem algumas caixas na garagem, você pode pegá-las para mim Ethan? – Denny pediu e Ethan saiu depressa – Vamos levar tudo logo, eu não quero ter que voltar aqui.
Terminamos de colocar tudo nas malas e nas caixas que Ethan trouxe da garagem os dois arrumaram tudo no porta-malas.
– Audrey já está no apartamento e Scott está indo para lá com o advogado da banda e um policial que vai tomar seu depoimento, Letty.
– Você está bem? – Denny segurou meu rosto conferindo o ferimento na testa. Ele já tinha limpado e colocado um curativo, não era nada, mas ele estava tratando como se fosse um traumatismo craniano.
– Eu estou bem agora. Você está aqui, eu sei que estou segura.
– Você sempre estará segura comigo. – ele beijou minha testa e abriu a porta de trás do carro – Dessa vez eu dirijo. – ele pegou as chaves da mão de Ethan que riu.
Fomos direto para o apartamento de Ethan, no centro de Los Angeles.
Quando chegamos no prédio, o porteiro reconheceu Denny e abriu a garagem nos permitindo entrar.
– Segure o elevador para nós, baby – Denny pediu e eu o fiz. Ele e Ethan tiraram as malas e as caixas do carro e colocaram tudo no elevador, quando estava tudo lá, nós subimos para o sexto andar.
– O apartamento é o 6003. – Ethan falou comigo – Os vizinhos são legais, tem duas senhoras, Flora e Hilda, que moram no 6004, se prepare para elas trazerem todo tipo de comida para você assim que te conhecer, no 6002 tem um casal que tem 2 filhos, gêmeos, ele são levados, não deixe a porta do apartamento aberta a menos que você não se importe com eles invadindo sua geladeira… mas Michael e Jenna são muito legais. Você não vai ver os moradores do 6003, eles passam mais tempo viajando que em casa. E o 6001 até eu sair daqui estava vazio.
– Os dois porteiros se chamam Franklyn, que é o que nos recebeu, e Malcon – Denny explicou – eles me conhecem são amigos, então tudo que você precisar quando eu não estiver aqui, você pode pedir a eles.
– Okay.
– Você estará segura aqui, Letty. O prédio tem um sistema de segurança muito sofisticado e que nunca falha. Ninguém que não seja autorizado entra, Franklyn nunca sai do posto dele e quando sai, Malcon o substitui. Estamos no centro da cidade, é seguro, tem policiamento, você pode ficar tranquila.
– Obrigada. – agradeci. O elevador abriu e eu segurei a porta aberta enquanto Ethan e Denny levavam tudo para a frente do apartamento 6003.
Audrey abriu a porta e nos recebeu com um sorriso. Ela puxou uma das malas para dentro, Nick também estava ali e pegou uma das caixas, logo em seguida foram Miles e Scott que apareceram levando as outras duas caixas, Ethan e Denny entraram com as ultimas caixas e eu os segui.
– Deixe tudo em um canto, nós arrumamos depois. – Denny falou colocando a caixa em cima do balcão que dividia a sala da cozinha. Ele me alcançou e me puxou para perto.
– Como você está? – Scott parou na nossa frente.
– Um pouco traumatizada, mas eu vou ficar bem. – falei.
– Eu já contratei um segurança para você. Não terá que andar sozinha e ele sempre estará por perto.
– Eu ia dizer que não precisa, mas vou me sentir mais segura assim.
– Que bom, não terei que te empurrar a ideia goela abaixo. – ele sorriu – Agora, vem, tem um oficial para colher seu depoimento e o advogado da banda está aqui também.
– Pode ser rápido? Eu estou cansada e faminta.
– Eu pedi pizza. – Audrey falou, deve estar chegando.
– Vou descer para receber. – Nick se levantou, mas parou na minha frente antes de sair – Nós vamos cuidar de você, pode ficar tranquila.
Eu sorri e ele saiu.
– Estou me sentindo como uma princesa sendo guardada por fiéis escudeiros. – brinquei.
– Você faz parte da família Fifty e nós cuidamos da nossa família. – Denny me deu um selinho e me levou para o escritório onde o oficial nos esperava.

Eu contei tudo o que aconteceu, descrevi todos os detalhes, ainda que nojentos, que me lembrava. Ajudei a fazer um retrato falado do namorado de Holly e o oficial garantiu que ele seria encontrado. Denny deu o endereço dos bares que Holly costumava frequentar e onde o cara podia ser encontrado. Quando tudo estava acabado, o oficial e o advogado tinham ido embora, Kate chegou se juntando ao coro de “agora você está segura e nós cuidaremos de você”, nós nos sentamos na sala, colocamos um filme idiota na TV e comemos pizza fazendo todo o terror do dia se apagar em nada.
Um tempo depois Denny dispensou todo mundo, me levou para o quarto e se deitou abraçado comigo até que eu estivesse dormindo.


5 comentários:

  1. Eles são lindos juntos.
    Amoooooooooooooooo essa série!!

    ResponderExcluir
  2. Cada dia essa história fica melhor.

    ResponderExcluir
  3. Cada dia essa história fica melhor.

    ResponderExcluir
  4. EU SABIA QUE AQUELE NAMORADO DA HOLLY IA TENTAR ALGO, O QUE ME PREOCUPA É ESSA APARTAMENTO VAZIO?

    ResponderExcluir
  5. EU SABIA QUE AQUELE NAMORADO DA HOLLY IA TENTAR ALGO, O QUE ME PREOCUPA É ESSA APARTAMENTO VAZIO?

    ResponderExcluir

LinkWithin